Uma das coisas mais relaxantes para se fazer em Búzios é sentar-se na areia da praia da Rasa e apreciar no céu as “pipas” de Kitesurf colorindo o horizonte.

Continuando a série de matérias de esportes que são comumente praticados em Búzios, hoje vamos ver a história do Kitesurf.

A história

Tudo começou na China antiga. Os chineses faziam uso das pipas para transportar com maior facilidade cargas em embarcações.  Após isso os americanos desenvolveram um sistema similar para puxar carroças. Passando para o aspecto esportivo as pipas rígidas começaram a ser utilizada em canoas, esquis aquáticos, patins, entre alguns outros.

Para o esportista, o que chegou mais próximo do Kitesurf que conhecemos tradicionalmente nos dias de hoje foi o suíço Andréa Kuhn entre os anos 70 e 80. Andréa utilizou uma vela de parapente e uma prancha que lembrava a de wakeboard para surfar sobre as águas.

O maior problema de utilizar a vela de wakeboard era levantar voo com ela após ela cair na água.

O kitesurf como o conhecemos hoje em dia foi criado em 1985 por dois irmãos franceses Bruno e Dominique Legaignoux. Mas muito antes disso, só ouvíamos falar de pipas. Há cerca de 2.000 anos, os chineses o utilizavam para auxiliar os navios no transporte de mercadorias pesadas.

O Kite tem outras “funções” ao longo da história. O inglês George Peacock é considerado o pai da tração a pipas porque inventou em 1826 uma estrutura em que o papagaio puxava a carroça a uma velocidade máxima de 20 km / h. O americano Samuel Franklin Cody foi até puxado com pipa pelo Canal da Mancha.

Mais tarde, nas décadas de 1970 e 1980, as pipas foram usadas para impulsionar canoas, patins, patins, esquis aquáticos e esquis aquáticos. O suíço Andréas Kuhn é a pessoa mais próxima do kitesurf. Ele usou um parapente de cerca de 25 metros quadrados para impulsioná-lo a uma prancha semelhante ao conhecido esqui aquático. Seu salto foi até mesmo televisionado e transmitido por toda a Europa.

Porém, ainda há um grande problema a ser resolvido. Após o parapente cair na água, ele não poderá decolar novamente. Essa é a maior vantagem da pipa dos irmãos Legaignoux – eles criaram uma pipa inflável que não só levanta a pipa ao cair na água, mas também retorna em um ângulo de 10 graus contra o vento, o que é ideal para a decolagem.

Para os irmãos Legaignoux, nem tudo é tão fácil. Em 1985, o kite foi patenteado e o windsurf atingiu o seu auge, nenhuma empresa se arriscou a produzir kitesurf. Apenas dez anos depois, em 1995, começaram a ser produzidos e comercializados pipas.

Robby Naish, campeão mundial do Weathervane, é um dos responsáveis ​​pela promoção do esporte. Naish se apaixonou por esse esporte e agora, além de velejar, também é fabricante de pipas. Ele foi até o primeiro campeão mundial de kite na competição de 1998 realizada em Maui, Havaí.

Em 2000, criou o primeiro circuito mundial de kitesurf – o tour mundial de kitesurf profissional, que acontecia na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. No ano seguinte, os atletas estabeleceram uma associação profissional de kitesurfistas. No mesmo ano, foi criada a Associação Brasileira de Kite Surf (ABK), responsável pela gestão das atividades esportivas no Brasil e pelo contato direto com a Federação Brasileira de Vela e Automobilismo.

O grande boom do kitesurf

Legaignoux solicitou uma patente para esta ideia, e pipas começaram a ser produzidas e comercializadas em 1993. Então, o windsurfista francês Manu Bertin trouxe uma pipa inflável para Maui, no Havaí, e deu início à revolução.

Em 1998, ainda no Havaí, houve: o 1º Mundial, nas modalidades Wave, Slalom e Longa Distância. Robby Naish é um dos destaques do jogo.

Nos anos seguintes, muitas competições foram realizadas até a criação do primeiro World Sports Tour em 2000, o Kiteboard Pro World Tour. Essas etapas se espalham por vários países, como: França, Cabo Verde, República Dominicana, onde isso acaba? no Brasil! Mais precisamente, fica na praia da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro.

Em 2001, a ABK-Associação Brasileira de Futebol foi criada para promover o primeiro Campeonato Brasileiro de Esportes realizado no RJ na cidade de Araruama. Os vencedores foram os atletas Marcelo Cunha e Daniela Monteiro.

Atualmente, o esporte está em uma crescente e ganha cada dia mais popularidade entre entusiastas, esportistas, amantes da natureza e do vento.

Kitesurf em Búzios

O kitesurf é um esporte relativamente novo e mistura o windsurf, surf e esqui aquático, mas trouxe entusiastas a uma grande parte do mundo. Essa atividade é praticada com a utilização de uma prancha de windsurf e um pequeno parapente (pipa), que pode realizar deslocamentos e manobras agressivas no mar. Dependendo das condições do vento, o kite atingirá velocidades extremamente altas e empurrará os atletas para a água como uma lancha.

Em Búzios, esse esporte é praticado principalmente nas praias da Rasa e de Manguinhos, pois os fortes ventos sopram constantemente daquele lado da península, inclusive na praia de Geribá onde se pode praticar a modalidade de forma mais radical devido aos seus ventos e ondas.

Na Praia da Rasa, os atletas e dividem espaço com alunos das escolas ali instaladas. Para quem já teve a oportunidade de visitar a península em alta temporada é bem comum ver as pipas do Kitesurf colorindo o céu da praia Rasa. Tal visão traz a sensação de que apos algumas horas de carro ou de ônibus finalmente chegamos ao paraíso. Que finalmente chegamos à Armação dos Búzios.

Lembre-se que por toda a península é possível achar escolinhas de kitesurf mas onde é mais comum encontra-las são nas praias de Manguinhos e Rasa. Aproveite e venha conhecer mais uma modalidade esportiva para a sua coleção.

Aventure-se!

Fontes:

http://prowind.com.br

Wikipédia

https://localkiteboarding.com

Deixe o seu comentário